Porque deve ter uma Caixa de Entrada (Inbox)

Hoje voltamos a falar de algo ligado à produtividade. Conforme já falado no post sobre GTD, A arte de fazer acontecer, referimos de novo um ponto que assume grande importância: a caixa de entrada, ou inbox. Antes de fazer as coisas acontecer temos que começar em algum sítio. Esse sítio é a sua caixa de entrada. Conforme David Allen (o criador do GTD) disse: “Por vezes as pessoas dizem-me que não precisam de uma caixa de entrada física, ao que respondo que elas já têm uma – a sua casa inteira é uma caixa de entrada”.

Nesta era digital podemos questionar-nos sobre a real importância de uma caixa de entrada física já que muitos de nós temos caixas de entrada nos nossos e-mails, sejam eles pessoais ou profissionais. Apesar de cada vez mais a informação passar pelo digital há ainda muita informação que nos chega sob a forma física, em papel. Quer sejam revistas, cartas de correio com contas, facturas, etc. necessitamos de locais para centralizar essa informação antes de a processar. A nossa própria casa tem uma caixa de entrada onde o carteiro deposita a nossa correspondência. Mas o que é que fazemos com a correspondência depois de a levantarmos? Não devemos pousá-la num local aleatório de nossa casa pois corremos o risco de perdermos alguma factura ou documento importante e posteriormente sofrermos as consequências.

Caixa de Entrada

Uma caixa de entrada é basicamente qualquer local onde você recolhe coisas para a sua vida para mais tarde processar. Estas coisas podem ser dados, informações, correspondência, notas, trabalho por acabar, coisas que tenciona ler, entre outros.

Uma caixa de entrada pode ser uma bandeja de plástico no seu escritório, a mesa de entrada de sua casa, a sua carteira, o seu bolso, o seu organizer, etc. Tal como falamos acima temos ainda as caixas de entrada virtuais no(s) nosso(s) email(s), no leitor de feeds RSS (blogs) ou em programas de organização de notas como o OneNote ou o Evernote.

Muitos de nós não temos uma caixa de entrada física pré-estabelecida e no nosso trabalho a caixa de entrada acaba por ser cada cm² da nossa mesa ou em nossa casa qualquer local dela, provocando o caos indesejado na nossa organização.

Quanto Menos Melhor

Como regra geral de tudo ligado à organização e a simplificar a vida, quanto menos melhor. Quanto menos caixas de entrada tiver, melhor. Dessa forma, a quantidade de locais aos quais tem que estar atento para processar as coisas ao ser menor facilitará a sua vida.

As caixas de entrada são simultaneamente pontos de partida e pontos de chegada. Pontos de partida porque é a partir de lá que processa as coisas e desenvolve as suas acções. Ponto de chegada porque com o sistema funcional as suas caixas de entrada serão onde todas as coisas que necessita irão “aterrar”.

A nível das caixas de entrada digitais são mais facilmente unificadas numa só, sendo recomendável no entanto que separe de alguma forma a sua caixa de entrada de e-mail pessoal e profissional para garantir um melhor foco. As caixas de entrada físicas são mais difíceis de conciliar porque os pontos de recolha de informação são variados. Pode no entanto usar algumas caixas de entrada como apenas um local provisório até uma das caixas base que deve manter, quer sejam a caixa de entrada de sua casa ou do seu trabalho, isto é, coisas que recolhe como recibos, cartões de visita, etc., na sua carteira, deve depositá-los na caixa de entrada do escritório quando lá chegar.

As caixas de entrada físicas devem ser do conhecimento de todas as pessoas com quem você interage. Quer sejam documentos para rever, correio, material de leitura, etc., garanta que todos sabem onde lhe deixar as coisas que você mais tarde irá processar. Você posteriormente terá que processar as coisas e não as deixar acumular indefinidamente, pois aí perderá a credibilidade e as pessoas poderão deixar de a usar. Além disso, deve ser você a dar o exemplo: se você próprio não pousar as coisas na sua caixa de entrada como quer obrigar os outros a fazê-lo?

A Caixa de Entrada não é Produtiva Sozinha

Tal como falado acima as caixas de entrada são pontos de chegada para as coisas a processar e pontos de partida para as suas acções, mas nunca deverão ser encaradas como o destino final. As caixas de entrada só são úteis quando forem encaradas como um local de recolha de coisas importantes, por forma a libertar a mente para as tarefas em curso e serem retiradas da caixa para quando chegar à altura de as processar. 

As caixas de entrada que ficam cada vez mais atulhadas são mais do que inúteis: não só não ajudam a  realizar as coisas importantes que estão na sua caixa de entrada mas também a certa altura o volume é tanto que você vai optar por criar uma segunda caixa de entrada para as coisas realmente importantes. Você entra num ciclo vicioso onde cada vez se atrasa e acumula mais.

Pense numa rotina para esvaziar a sua caixa de entrada periodicamente que se encaixe com a sua forma de trabalhar e ritmo de trabalho por forma a não rebentar pelas costuras. Você pode optar por subdividir a sua caixa de entrada em três partes dependentes da data em que são necessárias: próximas tarefas, tarefas da próxima semana ou a realizar proximamente e coisas a ler ou a processar sem prazo definido.

 

Boa sorte para a organização e processamento das suas caixas de entrada por forma a não ficar como o seguinte senhor!

Inbox Física Cheia

Posted on: Maio 5, 2010, by : Bernardino Lima

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Connect with Facebook

Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookCheck Our Feed